Ansiedade, vamos encarar?

“Nossa ansiedade não esvazia o sofrimento do amanhã, mas apenas esvazia a força do hoje”

Charles Spurgeon

Em tempos de crise na vida organizacional, política e pessoal, além de moral e ética é normal que o indivíduo sucumba numa crise alucinante de ansiedade.

São tantas as expectativas e em maior número as decepções que a psiquê não resiste a tanta pressão. Estamos sempre à espera de alguém ou de alguma coisa e, independente, dela ser positiva ou negativa a tensão gerada é uma carga explosiva em nosso organismo e , consequentemente em nossos relacionamentos individuais e corporativos.

O que se tem feito para minimizar esse stress?

Estatisticamente, como se demonstra o impacto nas organizações desse estado permanente de ansiedade?

Como a ansiedade afeta a autoestima?

Quais seriam as ações redentoras desse estado permanente de ansiedade e como implementar e coordená-las?

Na tentativa de esclarecer e nortear esses questionamentos conversamos com a Dra Valéria Lemos Palazzo – CRP 06/35173 – 8, Idealizadora, Fundadora e Coordenadora do GATDA – Grupo de Apoio dos Distúrbios Alimentares, conforme segue:

“A ansiedade ocasional é uma parte normal da vida. Você pode se sentir ansioso quando está diante de um problema no trabalho, antes de fazer uma prova, ou tomar uma decisão importante.

Mas transtornos de ansiedade envolvem mais do que preocupação temporária. Para uma pessoa com um transtorno de ansiedade, a ansiedade não vai embora e pode piorar com o tempo. Os sentimentos podem interferir com as atividades diárias, tais como o desempenho no trabalho e nos relacionamentos. Existem vários tipos diferentes de distúrbios de ansiedade. Exemplos incluem transtorno de ansiedade generalizada, transtorno do pânico e transtorno de ansiedade social.

A ansiedade pode fazer uma pessoa imaginar que as coisas em sua vida são piores do que realmente são, e também a impedir de confrontar os seus medos. Muitas vezes, a pessoa ansiosa pensará que está enlouquecendo, ou que algum desequilíbrio psicológico está no centro de seus problemas. O que é importante é o reconhecimento de que a ansiedade – em um certo nível – é normal e existe devido a um conjunto de funções corporais que têm existido em nós desde o “tempo das cavernas”.

ansiedade lutar ou fugir

Os seres humanos foram equipados com um sistema de “alarme interno” projetado para nos proteger dos perigos que nos rodeavam naquela época. Este sistema nos deixaria hiper-alertas, nos dando um impulso de adrenalina que iria aumentar a frequência cardíaca e a quantidade de oxigênio indo para nossos membros para que fôssemos mais capazes de lutar ou fugir do perigo. Isto é conhecido como a resposta “correr ou lutar”.

Os “nós no estômago” – sensação que muitos associam com a ansiedade é uma das manifestações físicas desse mecanismo, mas em vez de ser utilizado para evitar um perigo imediato, é muitas vezes erroneamente e de forma inadequada ativado em uma pessoa durante situações normais, até diariamente, e muitas vezes sem que a pessoa tenha percepção disso.

Algumas pessoas têm uma causa muito identificável para a sua ansiedade – um incidente traumático, situações de estresse ou ter sofrido alguma alteração na vida (mudança de casa, divórcio, cirurgias) ou outro evento de vida significativo. No entanto, algumas pessoas não têm uma causa identificável para a sua ansiedade e isso causa mais ansiedade.

Uma maneira de compreender a sua ansiedade é imaginar seus níveis de estresse como sendo um balde de água. Se continuarmos a acrescentar fatores de stress para o balde (até mesmo pequenas coisas como o trânsito das grandes cidades, ou problemas comuns de trabalho), ao longo do tempo o balde vai enchendo cada vez mais até que um dia ele transborda. Esta pode ser uma boa maneira de olhar para a ansiedade, uma vez que explica por que às vezes pode parecer que estamos ansiosos sem que consigamos perceber e/ou definir nenhum evento ou situação significativa para isso. No entanto, o que aconteceu é que o gatilho foi apenas um pequeno fator estressante que permitiu que o nosso balde transbordasse…saiba mais acessando: O que é Ansiedade

Não sabemos se facilita a compreensão desse fenômeno chamado ansiedade, suas reações positivas ou negativas, mas sabemos que conhecendo mais sobre o assunto podemos controlar e buscar novas formas de lidar com ela e com isso trazê-la para o nosso lado destacando apenas o seu lado positivo que nos leva a seguir adiante na busca de novos desafios.

Boa leitura!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *